main

MúsicaTendência

A latinização da música pop – parte II

by Karla Wunsch

Captura-de-Tela-2017-11-21-às-17.41.44.png

Depois de quase um ano, “Despacito” segue no Top 100 da Billboard. “Havana” e “Mi Gente”, ambas estão há 5 meses na parada. Novos hits em clima latino não param de surgir. Demi Lovato gravou com Fonsi, Anitta com JBalvin e parece que essa onda está longe de sair do auge. Aproveita pra dar uma play lista e saber mais sobre esse fenômeno.

Na primeira parte da série Latinização da Música Pop, fomos entender como passamos a ouvir esse gênero em todos os lugares. Em resumo, o que foi dito é que a base do ritmo é fácil e dançante (originário do Dancehall, que simultaneamente tem ganhado muito espaço), e a internet ajudou a distribuir essa cultura. Além disso, houve a apropriação de grandes popstars, contribuindo para a validação do gênero fora dos países latinos. Ufa!

Porém, existe muito mais no sucesso de uma música ou de um ritmo do que imaginamos, os produtores são um exemplo. No caso do Dancehall, não por acaso, muitos deles vêm do Canadá. Pode soar estranho, mas é pura história.

blog-dancehall-prod-musical (1)

Nineteen85 produziu sozinho “Hotline Bling,” de Drake e levou Grammy pra casa.
Nineteen85 produziu sozinho “Hotline Bling,” de Drake e levou Grammy pra casa.

Isso aconteceu porque, nos anos 1960 e 1970, o Governo do Canadá facilitou a imigração, atraindo a população jamaicana para seu país. Hoje em dia, quem está agitando a cena são essa geração de canadenses filhos de pais Jamaicanos, seguindo com suas origens musicais. Claro que alguns artistas da Jamaica mesmo conseguiram alavancar sucessos como Supa Dups​ e “Di Genius” McGregor.

Com 25 anos, Sevn Thomas produziu o sucesso “Work” de Rihanna & Drake.
Com 25 anos, Sevn Thomas produziu o sucesso “Work” de Rihanna & Drake.

E uma outra galera que nao tem tanto a ver com essa raíz como Jr Blender da Alemanha e Cashmere Cat​ na Noruega.

Jr. Blender co-produziu "Cold Water" de Justin Bieber e MØ e Light it Up de Major Lazer.
Jr. Blender co-produziu “Cold Water” de Justin Bieber e MØ e Light it Up de Major Lazer.

Sim, são muitos nomes provavelmente nunca ouvidos, mas já dá pra começar a entender que no processo de uma música existe muito mais gente e histórias envolvidas. Para traduzir pro inglês a versão de Despacito com Justin Bieber, por exemplo, o cantor chamou mais dois produtores e compositores, sendo um deles o Poo Bear – que gravou com Anitta, sabe?

Voltando à versão original do maior hit em espanhol das paradas norte-americanas desde “Macarena”, a música foi feita inteiramente com sangue latino. De Porto Rico: Daddy Yankee, considerado o pai do Reggaeton, e Luis Fonsi. Do Panamá a co-compositora, com Fonsi, Erika Ender e da Colômbia, JBalvin.

Ganhador de 2 Grammys Latinos, JBalvin canta desde 2004.
Ganhador de 2 Grammys Latinos, JBalvin canta desde 2004.
Daddy Yankee canta, compõe e produz desde 1991.
Daddy Yankee canta, compõe e produz desde 1991.

Como mostrado na parte I da latinização da música pop, apesar dos nomes de peso da música, o sucesso se concretizou com a participação de Justin Bieber, que é um fenômeno mundial e também… canadense, mas sem origem jamaicana. Porém viu uma reviravolta positiva na sua carreira graças ao hit inspirado pela mistura de Pop com dancehall,”Sorry”. É, parece que está tudo ligado, né?

Leia: A latinização da música pop – Parte II

Artistas

Os melhores snapchats do Justin Bieber

by Superplayer

justin-bieber-960x650.jpg

O Snapchat do Justin Bieber é basicamente ele. Exceto pelo nome que ele usa. O cantor posta selfie na cama, no avião, no carro, com camisa ou sem. Mas se você quiser seguir o cantor por lá é preciso procurar por RickTheSizzler. Caso você não tenha adicionado ele no aplicativo (ou nem mesmo sabe direito o que é o Snapchat), separamos alguns imagens que mostram bem o corpo espírito do cantor que há pouco a gente parou de odiar. E depois você nos conta se resolveu seguir ele. 😉snap justin bieber twitter

1. Não bastasse seu hit “Sorry” ter invadido todas as rádios e playlists, você ainda pode ter boas doses diárias do loiro, na sofrência e na alegria.

Justin-Bieber-rickthesizzler-snap2

2. Até hoje ninguém sabe a origem do nome que ele escolheu. Porém, o que é importa?

Justin-Bieber-rickthesizzler-snap17

3. Ele é gente como a gente e também curte usar os feitos loucos do Snap.

Justin-Bieber-rickthesizzler-snap8

4. E acha mamilos polêmicos.

Justin-Bieber-rickthesizzler-snap

  1. É cheio de Swag, que como ele mesmo definiu em entrevista é: “ser você mesmo, não é nada sobre fazer algo especial, apenas ser você mesmo.”

Justin-Bieber-rickthesizzler   

6. Manda mensagens como se vocês estivessem em um relacionamento.

Justin-Bieber-rickthesizzler-snap15

7. Com direito a declaração.

Justin-Bieber-rickthesizzler-snap16

9. Até que ele fala um pouco de música (mas com selfies, claro).

Justin-Bieber-rickthesizzler-snap9

10. E percebemos que ele finalmente cresceu.

Justin-Bieber-rickthesizzler-snap12

11. Só que mesmo.

justin-bieber-snapchat-1

12. E sabe fazer piada com isso.

Justin-Bieber-rickthesizzler-snap5

E agora, que tal curtir as músicas do Bieber? É só entrar aqui nesse link.

É isso, pessoal!

Justin-Bieber-rickthesizzler-snap4          

Música

As 10 parcerias musicais mais inusitadas de 2015

by Karla Wunsch

1920x1080-960x540.png

É, todo mundo está dizendo que 2015 foi um ano difícil. Por um motivo ou outro, tem muita gente que tá preferindo nem ver as famosas retrospectivas e já se focar no próximo ano. Porém, a gente prefere ver pelo lado bom, o da música. Que a gente já avisa: foi louco.

Confira a lista das parcerias mais inusitadas desse ano que muito gente amou, muita gente odiou e muita gente amou odiar.

10. Disclosure & Lorde – “Magnets”
O duo inglês de música eletrônica se uniu com a adolescente da Nova Zelândia. O resultado foi uma Lorde um pouco mais dançante ou um Disclosure mais calminho, como preferir.

Se você gostou, recomendamos essa playlist.

9. David Guetta, Sia & Fetty Wap – “Bang My Head”

David Guetta, um dos maiores DJs de mundo, lá em 2012 já havia feito uma parceria com a Sia, na música “She Wolf (Falling into pieces)” esse ano a novidade foi incluir na história o rapper Fetty Wap, cantor da premiada música “Trap Queen”. Gostou?

Se você gostou, recomendamos essa playlist.

8. Skrillex, Diplo & Justin Bieber – “Where Are Ü Now” with”

Justin Bieber ainda não tinha virado adulto quando Skrillex se lançou com o dubstep e Diplo fundava a banda Major Lazers. Em 2013, os dois DJs se uniram para formar o Jack Ü, e esse ano, voilà, eles se encontraram com Bieber no auge.

Se você gostou, recomendamos essa playlist.  

7. Miley Cyrus, Joan Jett & Laura Jane Grace – “Androgynous”

Uma parceria feita por uma boa causa. Laura Jane Grace e Atom Willard, da banda Against Me! e Joan Jett cantaram ao lado de Miley em prol da sua ONG Happy Hippie, que apoia a juventude LGBTQ. A música escolhida, já havia sido gravada por Joan Jett and the Blackhearts em 2004.

Se você gostou, recomendamos essa playlist.

6. Harmonia do Samba & Anitta – “Hoje Eu Sonhei Com Você”

Apesar do Xandy ser do samba e, Anitta do funk, nós conseguimos encontrar mais uma coisa em comum, além dessa música: a reboladinha. Quem lembra?

Se você gostou, recomendamos essa playlist.

5. Wiz Khalifa & Charlie Puth – “See You Again”

O rapper que começou a carreira em 2007 se juntou com a voz suave de Charlie Puth. O
o resultado foi um hit.

Se você gostou, recomendamos essa playlist.

4. Coldplay & Beyonce – Hymn for the Weekend

Essa parceria empolgou, e foi noticia em muitos portais, por unir uma super banda com uma super cantora, de estilos diferentes. E mesmo assim, pode confessar eles dois já estavam sempre lado a lado nas playlists que você ouve, né?

Se você gostou, recomendamos essa playlist.

3. Andrea Bocelli & Ariana Grande – “E Più Ti Penso”

O temor italiano fez parceria com a cantora pop, Ariana Grande. A música foi gravada para ser trilha do filme “Era Uma Vez na América”, que também faz parte do novo álbum de Bocelli. Curioso? É só dar play.

Se você gostou, recomendamos essa playlist.

2. Eddie Vedder & Beyoncé – “Redemption Song”

O que é mais inusitado: a união do vocalista da banda de grunge, Pearl Jam, com a diva Beyoncé (que aliás já apareceu nessa lista) ou que a escolha foi um dos hinos do Bob Marley? Você decide.

Se você gostou, recomendamos essa playlist.

1. Rihanna, Kanye West & Paul McCartney – “FourFiveSeconds”

Um ex-Beatle, ao lado de um rapper e de uma cantora pop. Tá bom para primeiro lugar ou quer mais? A música é faixa do álbum da Rihanna, ‘Anti’ e mostra lado mais minimalistas dos artistas. Graças ao hit muitas pessoas conheceram… Paul McCartney e os Beatles. Antes tarde do que nunca, né?

Se você gostou, recomendamos essa playlist.