main

ArtistasMúsica

Mahmundi e o país que precisa se conhecer como Brasil

by Karla Wunsch

thumb-blog-mahmudi.jpg

entrevista-mahmundi-cantora

“Gosto de falar de romance, amor e calor.” É um dos jeitos que a carioca Marcela Vale fala do seu trabalho como Mahmundi. Com um álbum, que leva o mesmo nome, lançado esse ano pela Universal, ela conta que está na área faz tempo. Mas, pelo nosso papo deu pra sentir que é só o começo.

Do subúrbio do Rio de Janeiro, para superar a dificuldade que não esconde, ela se agarrou no seu sonho. Aos 9 anos começou a cantar na igreja. Com 18 começou a se envolver com cinema e som. Precisava pagar as contas. E queria isso pela música. Por 7 anos trabalhou como técnica de som do Circo Voador. Hoje, está trabalhando no seu terceiro trabalho autoral. Mahmundi que faz tudo: compõe, grava e produz. Tem o tempo cronometrado. E um foco na carreira invejável.

entrevista-mahmudi-cantora-2

Já morou em São Paulo por um tempo. Lá amadureceu profissionalmente. Mas voltou pro Rio de Janeiro de onde vem sua inspiração. Não tem medo nenhum a não ser o de fazer um trabalho que não seja bom. Isso que importa. “Não adianta abrir portas mas não ter nada para passar. Quero algo bem-feito”, conta.

O nome Mahmundi, que poderia ser de uma Deusa, na verdade vem de “Mundo da Marcela”, seu perfil no MySpace na época em que o “h” em apelidos era moda. A internet para ela, como a maioria dos músicos, segue como um espaço de divulgação. E também de conhecer gente. Toda gente que não é o famoso x ou y e sim gente comum, já que por aqui tem história de mais para não ser contada, como ela valoriza e defende.

mahmundi-entrevista

Pelo trabalho como produtora musical, Mahmundi explica que tem uma idéia imagética da música. Essa sinestesia fica fácil de ver, ou melhor, de sentir no seu primeiro EP Cores (2014) e no álbum Mahmundi (2017). Não são apenas músicas, mas ambientes que conversam entre si. Todos feitos de imagens que remetem à praia, ao verão e os amores cotidianos carregados com baixos e batidas eletrônicas.

músicas-mahmundi-discografia

Quando o assunto é engajamento social, ela diz que sua vida em si já é um enfrentamento. Marcela, que valoriza ter conseguido se agarrar em oportunidades que ela mesma conseguiu, explica que, como negra, o simples ato de ir comprar pão na Zona Sul do Rio é uma afronta para muitos. Por isso, ela faz do palco e da sua arte, que o que tem em mãos, um espaço de celebração. “Não vou mudar nada sozinha e nada sozinha rápido”, afirma. Para Mahmundi, a luta é importante, mas escolheu inspirar a alegria, como em um eterno verão.

Para ouvir o som da Mahmundi vem aqui.

Artistas

4 histórias realmente assustadoras do mundo da música

by Karla Wunsch

thumb-blog-dia-das-bruxas.png

Outubro tem o dia das bruxas, Halloween nos Estados Unidos, que por aqui no Brasil faz reverberar festas à fantasia e histórias de terror. Mas na vida real tem coisas muito mais assustadoras do que o mundo invertido, palhaços macabros e fantasmas. Conheça a história de quatro artistas que são de arrepiar de verdade.

divisoria-blog-lady-gaga-v2

Esse ano, a expectativa de ver o show da Lady Gaga no Rock in Rio acabou em desespero para os fãs e para a própria cantora, que não pode completar a tour porque convive com Fibromialgia, resumidamente, uma doença que faz seu corpo todo doer. Outra doença que ela sofre é a depressão e ansiedade. Quanto você acha que isso já é muito horror, vem mais um ponto derradeiro.

A cantora contou que foi estuprada quando tinha 19 anos. Mais assustador ainda é que no Brasil acontece um estupro a cada 11 minutos e são 10 estupros coletivos por dia.

“Till It Happens To You” é a música dela que fala do assunto, inclusive no clipe, e parte da renda foi para organizações de apoio a vítimas.

divisoria-blog-bradley-v2

Com a turnê do álbum de estreia do Sublime, 40oz to freedom (1992), o vocalista da banda Bradley Nowell conheceu o vício da heroína. Com o pé na estrada pelo Robbin The Hood (1994) a dependência só piorou.

Vinham novas gravações, o nascimento do seu filho e o começo da luta contra a droga. Nowell passou meses na reabilitação. Porém, assim que saiu da clínica foi recebido com uma festa regada a muita heroína, o que acabou atrapalhando o tratamento.

Sete dias depois de casar com mãe do seu filho e dois meses antes do lançamento oficial do álbum, Bradley Nowell, foi encontrado morto, vítima de overdose. O músico nunca soube o sucesso que fariam os hits: “What I Got”, “Santeria” e “Wrong Way” do álbum que se chamaria Killin’ It, mas ganhou o nome de Sublime apenas.

Isso aconteceu em 1996, mas atualmente, nos Estados Unidos a heroína está com mais força do que nunca. No ano passado foram 60 mil mortes, um caso de emergência.

divisoria-blog-kesha_v2

Em 2014 começou uma briga da cantora Kesha com seu empresário Dr. Luke, pela acusação de que ele abusava psicologicamente da cantora e usou drogas para estrupá-la. Alguns emails vazados mostram como ele preferia tratar ela como uma máquina, ignorando seus distúrbios alimentares.

Em 2016 o caso foi julgado, mas a cantora perdeu o processo, seguindo amarrada a Luke para lançar novas músicas próprias – o que gerou o movimento #FreeKesha. Hoje seu trabalho depende de alguém com que ela não pode se relacionar. Dá pra sacar o drama? A única saída é o lançamento de música com outras pessoas ou regravações. Ele disse que se ela desmentisse estaria livre, a cantora afirmou que prefere acabar com sua carreira do que mentir por um monstro.

divisoria-blog-riri-v2

Sucesso que vai além do pop, Rihanna tem um passado que as pessoas meio que lembram, com o Chris Brown, sabe? Eles viveram um relacionamento abusivo que acabou com ela internada no hospital depois de grave agressões do cantor.

Rihanna contou para a Vanity Fair que é essa uma situação muito difícil de se admitir, porque a culpa continuando recaindo sobre as vítimas. Na infância, a cantora não teve um cenário muito favorável também, com um pai alcoolista e abusivo. Assustador, né?

chris_brown_vidpic_1280Copy2
Depois do que aconteceu, Chris Brown teve que cancelar tour em alguns países como Austrália e Nova Zelândia por ter o visto negado.

Pois sabe quando disse que as pessoas meio que lembram? É porque seis anos depois do ocorrido, o tema violência doméstica foi assunto do Grammy  já que “artistas têm um poder único para mudar mentes e atitudes”, como falou na situação Barack Obama via vídeo. Mas, enquanto isso, Chris Brown sentava na platéia feliz com sua indicação a três prêmios.

Se você levou 11 minutos para ler esse texto (porque ficou longo, eu sei), quer dizer que na média, uma pessoa acabou de ser estuprada. Isso sim é assustador.

ArtistasMúsica

O Folk paraibano de Hözen e como é ser uma banda começando

by Karla Wunsch

thumb-post-entrevista-superbanda.png

img-post-entrevista-superbanda-1_V2

Vindos de Campina Grande, Paraíba, a terra do maior são joão do mundo, a banda Hözen, vencedora do 1º Concurso SuperBanda, tem como referência o folk de Mumford & Sons, The Lumineers e Fleet Foxes – sem deixar de lado outros gêneros como a Bossa Nova e até o New Metal.

Eles estão com apresentação marcada no Teatro Santander durante o evento do Empreenda Santander, e prestes a pisar em um dos melhores estúdios da América Latina para gravação do primeiro EP, tudo no começo de novembro.

Um dos motivos de tudo isso acontecer é o single “Leave Behind” da banda, que levou a melhor na votação popular e na escolha do júri técnico durante o Concurso.

Gravada em inglês, com os outros dois singles da banda, e com o típico violão folk, o som deles pode soar bem inusitado para uma cidade que respira Forró. Mas sabe que não deveria ser exatamente assim? Pois os dois gêneros têm bastante em comum: ambos vieram dos trabalhadores rurais e foram reinventados com o passar das décadas. Mas, na prática, o forró-pé-de-serra e o Forró eletrônico dominam a região Nordeste, sem muito espaço para o resto.

Segundo Tulio Escarião, guitarrista da Hözen, “o cenário musical alternativo da cidade [Campina Grande] é um tanto complicado, são poucos festivais que acontecem na região, e as oportunidades de mostrar outra forma de trabalho como a nossa, por exemplo, são bem raras”.

E, cá entre nós, começar uma banda nunca é exatamente fácil, mas os estudantes afirmam que é desafiador e prazeroso: “nós encontramos limitações e dificuldades a cada novo passo que damos (…) mas vemos que mesmo assim conseguimos dar passos para alcançar aos poucos os nossos objetivos, entre eles ser reconhecidos”.

img-post-entrevista-superbanda-2_v2 (1)

Quanto ao que esperar das próximas músicas? eles contam que já têm muita coisa pronta para ser gravada, só estava faltando oportunidade e, por isso, o concurso SuperBanda do Santander em parceria com o Superplayer veio no melhor momento possível, segundo os estudantes de Arte e Mídia, Direito e Computação.

Agora, enquanto a Hözen se prepara para o próximo mês, você já pode ir gravando esses nomes: Aleff Menezes na bateria, Lucas Guri no vocal, Romero Coelho no baixo e Tulio Escarião na guitarra. Porque com certeza eles vão conquistar seu espaço e você ainda vai ouvir falar deles e claro, a suas músicas.

Vem aqui no repeat.

ArtistasEntretenimentoMúsica

Os melhores momentos do Rock in Rio 2017

by Sarah Kasper

bon-jovi-rock-in-rio-960x640.jpg

Após 7 dias cheios de emoção e muita música no Rock in Rio, o Superplayer separou os melhores momentos de cada dia pra você conferir!

15 DE SETEMBRO

Pabllo Vittar fez da Arena Itaú um Palco Mundo

Pabllo Vittar

A confirmação em cima da hora de que Pabllo Vittar se apresentaria no Rock in Rio não foi problema para seus fãs, que lotaram o show e cantaram os hits com a Drag Queen mais famosa do Brasil.

Maroon 5 encanta o Brasil com “Garota de Ipanema”

Maroon 5

Que nós sabemos que Lady Gaga é insubstituível sabemos, mas os meninos do Maroon 5 fizeram bonito fazendo a galera cantar “She Will Be Loved” e “This Love”! E pra fazer a gente se apaixonar ainda arriscaram o português e cantaram “Garota de Ipanema”.

16 DE SETEMBRO

Palco Sunset: Miguel convida Emicida

O cantor americano fechou o Palco Sunset do segundo dia trazendo Emicida para cantarem seu novo single “Oasis”. De quebra, o brasileiro fez um freestyle na música “Skywalker”, novo single de Miguel com Travis Scott.

Shawn Mendes e seus leais fãs

Shawn Mendes

Primeira vez do canadense no Brasil, Shawn esbanjou simpatia antes, durante e depois de seu show. No palco, entrou com “There’s Nothing Holding Me Back” fazendo todo mundo dançar, fez seus fãs chorarem com “Ruin” e fechou a performance com um cover de “Use Somebody” do Kings of Leon e “Treat You Better”.

Fergie agita a galera e convida Pabllo Vittar e Sérgio Mendes ao Palco Mundo

Fergie

Show de Fergie teve direito a hits da cantora, hits do Black Eyed Peas, músicas do seu novo CD, Sérgio Mendes de convidado e muita, mas muita dança! Mas o que realmente animou o público foi quando Pabllo Vittar pisou no palco pra cantar “Glamorous” e “Sua Cara”. Noite histórica: pela primeira vez uma Drag Queen canta no palco mundo do Rock in Rio!

Maroon 5 canta novo hit “What Lovers Do”

Maroon 5

Com a responsabilidade de animar o público pela segunda noite seguida, Maroon 5 trouxe na manga seu novo single “What Lovers Do” e agitou geral! A banda também cantou “Lost Stars” do filme Begin Again e, é claro, seus clássicos. Tarefa cumprida!

17 DE SETEMBRO

Walk The Moon agita e canta novo single em sua primeira vez no festival

A banda americana de rock trouxe um setlist agitado e aproveitaram o Rock in Rio para cantar seu novo single “One Foot”! Também não teve quem ficou parado quando cantaram seu single mais famoso “Shut Up and Dance”.

Alicia Keys emociona e traz Dream Team do Passinho ao Palco Mundo

Alicia Keys é o tipo de cantora que pode ficar 2 horas sentada em um piano e não iríamos reclamar. Mas, Alicia preferiu dividir o palco com Dream Team do Passinho em “In Common” e trouxe Charles Bonfin, Pretinho da Serrinha e Sonia Guajajara (representante da comunidade indígena) para falar sobre os problemas na Amazônia. Emocionante!

Justin Timberlake faz a galera dançar (e se apaixonar!)

O mais esperado da noite! Com direito a selfie com fã e muita dança, o príncipe do pop fez todos se apaixonarem (de novo!) por ele. Quebrou o coração da plateia em “What Goes Around…Comes Around”, fez geral dançar com “Can’t Stop The Feeling!” e se emocionou quando fechou com “Mirrors”. O primeiro final de semana do Rock in Rio foi concluído com sucesso!

21 DE SETEMBRO

Fall Out Boy makes Brazil Emo Again

Fall Out Boy

Primeira vez da banda no festival, trouxeram seus hits “Sugar We’re Going Down”, “Thnks fr Th Mmrs” e “Dance, Dance” pra deixar a galera nostálgica, e músicas do seu próximo disco (previsto para janeiro) pra deixar a galera ansiosa.

Def Leppard trouxe os anos 80 para 2017

Def Leppard

A banda, que foi substituída pelo Whitesnake no primeiro Rock in Rio lá em 85, veio acertar as contas com o festival e fez bonito: animaram os fãs com clássicos como “Pour Some Sugar On Me”, “Let’s Get Rocked” e “Rock Of Ages”, trazendo muita nostalgia ao festival!

Aerosmith emociona a plateia e detona na primeira noite de Rock

Aerosmith

Não é só de clássicos que se vive uma banda e Aerosmith sabe muito bem disso. Com um setlist de respeito, teve direito a dois covers de Fleetwood Mac (e Joe Perry nos vocais!) e homenagem aos Beatles com “Come Together”.  Não teve quem ficou calado em “I Don’t Wanna Miss a Thing” ou não se arrepiou com Steven Tyler no piano em “Dream On”, e a banda escolheu o hit “Walk This Way” pra fechar a quinta-feira!

22 DE SETEMBRO

Mais nostálgico que Tears for Fears?

Tears For Fears

Tears for Fears não era um nome esperado no Rock in Rio, mas com certeza foi um que agradou o público. Abriram o show com seu hit mais famoso “Everybody Wants to Rule The World” (na versão da cantora Lorde!), continuaram emocionando com “Mad World”, fizeram um honroso cover de “Creep” do Radiohead e fecharam com nada mais nada menos que “Shout”! Showzaço!

Jon Bon Jovi cantou até a voz acabar (literalmente!)

Bon Jovi

Mesmo com duas músicas a menos que o setlist previa, o show do Bon Jovi foi repleto de hits e músicas novas que fizeram os fãs irem à loucura! Após mais de duas horas de show, a voz de Jon acabou falhando em “Livin’ on a Prayer” e o cantor deixou pra galera, o que não foi problema já que todo mundo estava cantando mais alto que as caixas de som!

23 DE SETEMBRO

A esperada estreia de The Who no Brasil

The Who

Há quem tenha esperado mais de 40 anos para ver The Who ao vivo no Brasil, mas esse momento chegou, e como chegou! A voz única de Roger Daltrey e o clássico jeito de Pete Townshend tocar guitarra deixaram o público emocionado, levando todo mundo em uma viagem aos anos 60.

Guns N’ Roses faz o show mais longo da história do Rock in Rio

Axl Rose

A reunião de Axl, Slash e Duff McKagan nos palcos do Rock in Rio fez uma multidão de fãs gritar e se emocionar em um setlist de 29 músicas: 3 horas e meia de covers e clássicos, com homenagem à Chris Cornell e AC/DC. Axl compensou a falta de voz com um show muito entusiasmado e profissional.

24 DE SETEMBRO

Thirty Seconds to Mars leva a galera pro palco e Jared Leto revive história

Jared Leto

Tamanho nem sempre é documento: com um setlist de apenas 10 músicas, o show da banda teve direito ao vocalista Jared Leto comendo açaí no palco, descendo da tirolesa no meio do público (igual fez em 2013!), fãs no palco e a participação de Projota durante a música “Walk on Water”! Haja coração!

Red Hot Chili Peppers fecha o Palco Mundo do Rock in Rio

Red Hot Chili Peppers

A banda abriu o show com seu hit “Can’t Stop”, passando por “Californication”, a inesperada “Under The Bridge” e fechou com “Give It Away”. Flea detonou no baixo (como sempre), tomou o microfone de Anthony Kiedis para falar com o público e até dizer que ama o Sepultura disse!

 

Confira uma playlist com músicas dos artistas que tocaram no maior festival do mundo!

ArtistasEntretenimentoLançamentoMúsica

Tudo o que você precisa saber sobre o clipe da nova música de Taylor Swift “Look What You Made Me Do”.

by Sarah Kasper

15-taylor-swift-look-what-you-made-me-do-screenshot-2017-billboard-1548-960x635.jpg

Taylor Swift está de volta fazendo o que sabe fazer de melhor: arte a partir de experiência. Quase três anos após o lançamento de “1989”, Taylor anunciou o seu primeiro single “Look What You Made Me Do” do seu novo álbum “Reputation”, que será lançado dia 10 de Novembro deste ano. A música, lançada quinta-feira, está em primeiro lugar nas paradas de diversos países, e o vídeo já possui mais de 50 milhões de visualizações no Youtube, batendo record da Vevo e do Youtube de vídeo mais visto nas primeiras 24 horas.

Taylor Swift Reputation
A música foi produzida por Jack Antonoff e composta por Taylor, Jack e Fred Fairbass, Richard Fairbrass e Rob Manzoli (do grupo Right Said Fred), que foram considerados como compositores já que a música intercala com “I’m Too Sexy” (1991) do grupo. Há quem diga que a batida da música foi inspirada na música “Operate” da cantora Peaches, conhecida por tocar no filme Mean Girls, porém isso ainda não foi confirmado oficialmente. A letra possui diversas referências para situações que envolveram a artista no passado, mas a principal ideia do single é mostrar que Taylor é uma nova pessoa e que a antiga Taylor está morta.

O vídeo, lançado neste domingo durante o Video Music Awards, foi dirigido por Joseph Kahn (que já dirigiu Blank Space, Out of The Woods, Bad Blood e Wildest Dreams) e explica melhor tudo o que Taylor quis dizer na música. Para entender melhor a letra e as referências, cada cena foi analisada:

O Cemitério

Taylor Swift ReputationTaylor Swift Reputation Taylor Swift Reputation

A primeira referência da cena é a cantora como zumbi usando um vestido parecido com o que usou no clipe “Out Of The Woods” (último clipe da Era 1989). O segundo é o túmulo que está escrito o nome “Nils Sjoberg”, pseudônimo que Taylor usou na música “This Is What You Came For” que co-escreveu com Calvin Harris. E, ao final da cena, a Taylor Zumbi enterra a Taylor com o vestido que usou no MET Gala de 2014, no início da Era 1989. Isso só prova quanto Taylor quer mostrar que essa fase passou.

A Banheira

Taylor Swift Reputation

A principal referência da cena é o único dólar na banheira, representando a vitória de Taylor no caso de assédio contra o DJ David Mueller, que a abusou sexualmente durante um Meet and Greet. Taylor pediu uma indenização de apenas 1 dólar, enquanto Mueller entrou com uma ação exigindo $3 milhões da cantora.

A Sala de Cobras

Taylor Swift Reputation Taylor Swift Reputation

Taylor anunciou seu novo single com um vídeo de uma cobra dividido em três partes, fazendo referência à época que Kim Kardashian vazou uma ligação de Kanye com Taylor. No vídeo eles mostram que a cantora não teria problemas com Kanye e sua música “Famous”, porém Taylor disse que nunca esteve ciente da frase completa que Kanye cantaria (“I feel like me and Taylor might still have sex, why? I made that bitch famous”) e que Kanye iria mostrar a música para ela, porém nunca mostrou. As pessoas começaram a comentar emojis de cobras em seu Instagram, então Taylor fez disso uma referência em seu vídeo e letra (“I don’t like your perfect crime”).
Na sala, Taylor está como a “rainha das cobras”, sentada em um trono que está escrito “Et Tu Brute” (Até Tu, Brutus?) da peça de Shakespeare “Júlio César” (que é morto por seu suposto amigo com facadas nas costas). Aqui, pode-se interpretar como uma traição que Taylor sofreu das pessoas que deveriam estar ao seu lado (a mesma já disse que realmente esperava ter uma boa relação com Kanye pois eles já teriam se entendido desde sua “briga” no VMA de 2008) e que a mesma foi servida com chá quente por cobras.

O Carro

Taylor Swift Reputation Taylor Swift Reputation

Nesta cena é impossível não pensar na briga entre Taylor e Katy Perry, até mesmo porque Taylor usa uma peruca parecida com o cabelo da cantora e se veste com estampa de animal (possível referência à “Roar”). Ela também está em um carro parecido com o que aparece no clipe de “Waking Up in Vegas” (Taylor já disse amar essa música antes de brigarem e Joseph Kahn foi quem dirigiu este clipe). Após bater o carro contra um poste, vários Paparazzis a fotografam, porém nenhum a ajuda (podendo ser uma referência ao fato de que todos eles só querem fazer dinheiro com sua fama, e nenhum pensa em ajudá-la). Ao final da cena, Taylor mostra um de seus 10 Grammys, enquanto Katy Perry é conhecida por não ter nenhum.
A cena aparece novamente ao fim do vídeo, porém mostra Taylor saindo do carro com seu leopardo e o carro explodindo perto dos paparazzis, podendo ser uma referência ao fato de ela não ter comentado nada sobre as entrevistas de Katy Perry falando sobre ela na música “Swish Swish”.

A Gaiola

Taylor Swift Reputation

Com uma cobra tatuada nas pernas e um macacão laranja (referência aos presídios americanos), Taylor se balança dentro de uma gaiola enquanto é rodeada por seguranças. Aqui, podemos imaginar como ela se sentiu nesses últimos anos: saindo escondida, sempre com seguranças, presa, porém tentando se divertir.

Roubando uma Empresa de Streaming

Taylor Swift Reputation

Taylor Swift Reputation

É difícil esquecer que Taylor mandou uma carta aberta à Apple pedindo por pagamento justo aos artistas ou quando ela tirou suas músicas do Spotify. As pessoas à chamaram de “sedenta por dinheiro” e “cobradora de boletos”. Taylor, então, criou aqui uma personagem que assalta um banco e queima dinheiro enquanto usa uma blusa escrita “Blind For Love” (Cega Por Amor), como sempre foi chamada pela mídia.

“The Squad”

Taylor Swift Reputation Taylor Swift Reputation

As famosas amizades de Taylor sempre chamaram a atenção das pessoas e ficaram conhecidas por “Taylor’s Squad”. Porém, diversas vezes a mídia criou notícias chamando Taylor de manipuladora e que suas amigas eram “sem personalidade”. Então, nesta cena a cantora mostra ironicamente diversas barbies sendo governadas por ela e no final todas estão “quebradas”. Seria essa a chance de Taylor dizer que sua squad não existe mais?

A Sala e seus “Servos”

Taylor Swift Reputation Taylor Swift Reputation

Desde o início de sua carreira Taylor sempre foi muito dominante: ela é quem escreve suas músicas, clipes, ajuda a dirigir e sempre teve as rédeas. Antes de Taylor entrar na sala, seus dançarinos estão tranquilos, porém quando ela entra todos eles se botam no lugar e a seguem. A crítica vai novamente para a mídia, que muitas vezes retratou Taylor como manipuladora e maldosa por querer controlar sua própria carreira.
Seus dançarinos estão todos usando uma blusa escrita “I Love T.S” (Eu amo T.S), fazendo referência à vez que Tom Hiddleston (ex de Taylor) usou uma blusa com a mesma frase em 2016 e alguns jornais falaram que Taylor o obrigou a usar.

Reputation

Taylor Swift Reputation  Taylor Swift Reputation

Cada vez que você olhar esta cena você vai encontrar uma nova Taylor: VMA Taylor, You Belong With Me Taylor, Red Tour Taylor, Speak Now Tour Taylor… Aqui, todas as Taylors estão tentando alcançar a Taylor de agora, na Era Reputation. Porém, Taylor derruba todas elas, dando a entender que elas realmente estão no passado.

Todas as Taylors

Taylor Swift Reputation

Se você não entendeu o que Taylor quis dizer durante o clipe, ela explica pra você nos últimos 35 segundos: não importa o que ela fez ou irá fazer, ela será criticada. Enquanto você pode escutar gritos e aplausos ao fundo, cada Taylor fala algo que a mídia já falou ou a acusou: sobre Taylor sempre parecer surpresa nas premiações e as pessoas chamarem ela de falsa, às vezes que chamaram ela de vítima, faz referência à música de Kanye West a chamando de vadia e à Kim por ter supostamente editado provas. Você pode conferir às falas traduzidas abaixo:

You Belong With Me (surpresa): “Gente!”

Out Of The Woods/zumbi: “Pare de fazer essa cara de surpresa. É tão irritante.”

Shake It Off: “É, você não pode estar tão surpresa o tempo todo.”

Taylor vestida de Preto: “Qual é a dessa vadia?”

Out Of The Woods/zumbi: “Não me chame disso!”

Fearless (sotaque caipira): “Gente…”

We Are Never Ever Getting Back Together: “Pare de fingir que você é boazinha, você é tão falsa.”

Taylor de Motoqueira: “Lá vai ela, se fazendo de vítima. De novo.”

Taylor usando o vestido do MET Gala: “O que você tá fazendo?”

Taylor do acidente de carro: “Pegando provas (“receipts”). Vou editar tudo isso depois.”

VMA Taylor: “Eu queria muito ser excluída dessa narrativa.”

Gostando ou não de Taylor, não podemos negar que a produção é grandiosa e a música veio para ficar. Agora, basta esperar os próximos singles e seu novo álbum, já que todos sabemos que com Taylor o melhor fica sempre para o final.

Clique aqui para escutar a música no Superplayer!

ArtistasEntretenimento

30 under 30

by Sarah Kasper

30Under30_1x1_noText1.jpg

Cada vez mais, novos e jovens artistas trazem estilos diferentes para o cenário musical. Por isso, separamos 30 cantores com menos de 30 anos que se destacam compondo, produzindo e interpretando um sucesso atrás do outro. Confira nossa lista:

Russ (24 anos)

RussApós emplacar duas músicas na Billboard Hot 100, “What They Want” e “Losin Control”, Russ está ficando cada vez mais conhecido, principalmente entre os fãs de hip hop. O rapper americano lançou seu primeiro disco em estúdio dia 5 de maio deste ano e desde então vem lotando shows e participando de diversos festivais.

Khalid (19 anos)

KhalidEm março deste ano, após sucesso de seu hit “Location”, Khalid lançou seu primeiro álbum com apenas 19 anos. O cantor R&B já trabalhou com Calvin Harris e Future no hit “Rollin”, Alina Baraz em “Electric” e com Kendrick Lamar em “The Heart Part 4”.

Lorde (20 anos)

LordeA cantora, que este ano completará 21 anos, acaba de lançar seu segundo álbum, Melodrama. Com apenas 14 anos a artista começou a trabalhar em seu primeiro trabalho, Pure Heroine, e ficou mundialmente conhecida por seu single “Royals”, com o qual ganhou dois Grammys com 17 anos.

Halsey (22 anos)

HalseyCom apenas 19 anos, Halsey lançou seu primeiro disco, Badlands, e em junho deste ano acaba de lançar o segundo, Hopeless Fountain Kingdom. Junto ao duo The Chainsmokers emplacou o hit “Closer” em primeiro lugar das paradas de diversos países e já abriu os shows das turnês do The Weeknd e Imagine Dragons em 2015.

Shawn Mendes (18 anos)

Shawn MendesEm 2013, Mendes começou a postar vídeos no aplicativo Vine e em 2014 conseguiu um contrato com a Island Records. Em 2015 lançou seu primeiro EP, Handwritten, e abriu diversos shows da turnê de Taylor Swift. Em setembro de 2016 lançou seu segundo disco, Illuminate, e em março de 2017 começou sua turnê. O cantor participará da sexta edição do Rock in Rio no Brasil.

Alessia Cara (20 anos)

Alessia CaraCom 13 anos a cantora canadense começou um canal no Youtube onde postava seus covers e em 2015 lançou seu primeiro single “Here”. Seu primeiro álbum, Know-It-All, foi lançado no mesmo ano. Em 2016 foi convidada a cantar “How Far I’ll Go” para o filme da Disney “Moana” e em 2017 colaborou com Zedd na música “Stay”.

Hailee Steinfeld (20 anos)

Hailee SteinfeldA cantora, que também é atriz e modelo, lançou uma versão cover da música “Flashlight” que cantou no filme Pitch Perfect 2. Logo em seguida lançou seu primeiro single “Love Myself” e em 2016 lançou “Starving” junto à Grey e Zedd. Em abril deste ano lançou o hit “Most Girls” e se espera vê-la em Pitch Perfect 3.

Astrid S (20 anos)

Astrid SAstrid Smeplass, nascida na Noruega, começou sua carreira com 16 anos quando participou da versão norueguesa de Pop Idol, onde acabou em quinto lugar. Em 2016 a cantora acompanhou Troye Sivan em sua turnê européia e em maio do mesmo ano lançou seu primeiro EP, Astrid S.

Julia Michaels (23 anos)

Julia MichaelsMichaels começou a cantar com apenas 12 anos e ao final da sua adolescência escreveu músicas para Demi Lovato e Fifth Harmony. Em 2016 veio ao Brasil para se apresentar junto a Kygo na cerimônia de encerramento das Olimpíadas e em 2017 lançou dois singles, “Issues” e “Uh Huh”.

James Arthur (29 anos)

James ArthurCantor e compositor britânico, venceu a nona temporada de The X Factor e em 2013 lançou seu primeiro disco, James Arthur, seguido de uma turnê. Em outubro de 2016 lançou seu segundo álbum, Back From The Edge, onde seu single “Say You Won’t Let Go” entrou para as paradas americanas e vendeu mais de um milhão de cópias no Reino Unido.  

James Bay (26 anos)

James BayApós lançar seu single “Hold Back The River”, o cantor britânico lançou seu primeiro álbum Chaos and The Calm, que ficou em primeiro lugar nas paradas britânicas e 15º nas paradas americanas. Em 2014 acompanhou Hozier em sua turnê, já se apresentou em um desfile da Burberry e também no festival Glastonburry.

Louisa Johnson (19 anos)

Louisa JohnsonVencedora da décima segunda temporada do The X Factor UK em 2015, a cantora pop está para lançar um álbum ainda este ano. Em outubro de 2016, Louisa lançou seu primeiro single “So Good” e, em março de 2017, lançou “Best Behaviour”, emplacando 13º e 48º lugar nas paradas britânicas respectivamente.

Ella Mai (22 anos)

Ella MaiEm 2014, Ella participou junto ao seu antigo trio Arize, da décima primeira edição do X Factor UK, onde não avançaram além da primeira fase. Após o ocorrido o trio se separou e Ella seguiu carreira solo, seguindo o gênero R&B. Desde fevereiro de 2016 lançou 3 EPs e seu próximo lançamento será seu álbum em estúdio.

Sigrid (20 anos)

SigridCantora norueguesa, lançou seu primeiro single “Don’t Kill My Vibe” após ter assinado com a Island Records em 2016. Em maio deste ano lançou seu primeiro EP com o mesmo nome de seu single.

Stefflon Don (25 anos)

Stefflon DonRapper britânica, já colaborou com Jeremih em sua música “Tight Nooki” e em junho de 2017, junto à Jax Jones e Demi Lovato, lançou o hit “Instruction”.

NAO (29 anos)

NAOCantora, produtora e compositora britânica, Neo Jessica Joshua já trabalhou com Disclosure e Stormzy e seu álbum For All We Know à levou a uma nomeação de Melhor Artista Britânica no Brit Awards. Seu som é descrito como soul, funk, eletrônico e R&B.

Ady Suleiman (24 anos)

Ady SuleimanBritânico, diz que sua música é inspirada pelo hip hop, blues, jazz, reggae, R&B e soul. Já lançou 3 EPs, Ady Suleiman, What’s the Score e This Is My EP.

Lucy Rose (27 anos)

Lucy RoseA cantora de folk inglesa deu início a sua paixão pela música tocando bateria e piano, e também postava vídeos no Youtube antes de assinar com a Columbia Records. Lançou seu primeiro álbum, Like I Used To, em 2012, e em 2015 lançou o seu segundo, Work It Out. Em julho deste ano espera-se pelo seu terceiro disco, Something’s Changing. Suas músicas já apareceram em diversas séries de TV como The Vampire Diaries, Skins e Girls.

First Aid Kit (24 e 26 anos)

First Aid KitA dupla sueca de folk composta por duas irmãs, Klara e Johanna, ficou famosa depois de postar um vídeo no Youtube fazendo um cover da banda Fleet Foxes. Desde então, já lançaram 3 álbuns, 2 EPs e diversos singles.

Broods (22 e 24 anos)

BroodsOs irmãos Georgia e Caleb da Nova Zelândia estouraram após o single “Bridges”, que emplacou o oitavo lugar nas paradas do país. Já lançaram dois álbuns e um EP e acompanharam Ellie Goulding, Sam Smith e HAIM em suas turnês.

Glass Animals (25 à 28 anos)

Glass AnimalsA banda inglesa, composta por Dave Bayley, Drew MacFarlane, Edmund Irwin-Singer e Joe Seaward vem fazendo sucesso entre diversos festivais ao redor do mundo e lotando seus shows. Seu primeiro álbum, ZABA, foi lançado em 2014, e o segundo, How To Be a Human Being, em 2016.

London Grammar (27, 26 e 27 anos)

London GrammarO trio britânico se uniu em 2009 durante a faculdade e já lançou dois álbuns, um deles sendo em junho deste ano. Já trabalharam com Disclosure e tiveram sua música “Hey Now” usada para uma das campanhas da Dior.

Bea Miller (18 anos)

Bea MillerA cantora americana acabou em 9º lugar na segunda temporada do The X Factor US e assinou com a SyCo Music e Hollywood Records em seguida. Em 2014 lançou seu primeiro EP Young Blood e em 2017 deu início a um projeto de 3 EPs, lançando chapter one: blue, chapter two: red e espera-se, para agosto, o lançamento do terceiro, chamado chapter three: yellow.

Noah Cyrus (17 anos)

Noah CyrusCantora e atriz, Noah vem de uma família de músicos e já lançou dois hits em 2017, “Stay Together” e “I’m Stuck”. Já trabalhou com Labrinth e o Dj Marshmello e já apareceu diversas vezes em seriados da Disney.

Tori Kelly (24 anos)

Tori KellyTori começou sua carreira postando vídeos no Youtube aos 14 anos e com 16 participou do American Idol, porém foi eliminada. Em 2012 lançou seu primeiro EP e em seguida assinou com a Capitol Records. Seu segundo EP veio em 2013 e seu primeiro álbum, Unbreakable Smile, em 2015. Tory foi nomeada ao Grammy em 2016 na categoria Best New Artist.

James Blake (28 anos)

James BlakeCantor, compositor e produtor britânico, Blake já trabalhou com diversos artistas como Beyoncé, Justin Vernon (Bon Iver) e Kanye West. Possui 6 EPs e 3 álbuns e já foi indicado ao Grammy duas vezes.

Iggy Azalea (27 anos)

Iggy AzaleaRapper australiana, mudou-se para os Estados Unidos com 16 anos para tentar uma carreira na música e ganhou atenção após postar vídeos no Youtube, fechando contrato com a gravadora do rapper T.I. Em 2014 lançou seu primeiro álbum, The New Classic, e em 2017 irá lançar o segundo, Digital Distortion. Azalea já abriu a turnê de artistas como Beyoncé, Rita Ora e Tyga.

Alina Baraz (23 anos)

Alina BarazA cantora americana ganhou espaço na indústria após produzir, junto ao produtor Galimatias, seu EP Urban Flora, contendo hits como “Fantasy” e “Make You Feel”. Começou sua carreira postando suas músicas no Soundclound, trabalhou com Khalid e recentemente entrou em turnê do seu EP. Espera-se que logo a cantora irá lançar um álbum completo.

G-Eazy (28 anos)

G-EazyRapper e produtor, começou a produzir músicas ainda na faculdade e teve oportunidades de abrir os shows de Lil Wayne e Snoop Dog logo no início de sua carreira. Em 2014 lançou seu primeiro álbum, These Things Happen, e se apresentou em diversos festivais de música. Seu próximo álbum será lançado ainda este ano.

Zara Larsson (19 anos)

Zara LarssonCantora e compositora sueca, venceu o show de talentos Talang com apenas 10 anos. Em 2013 lançou seu primeiro EP Introducing e em março de 2017 lançou seu álbum internacional So Good. Sua música “Never Forget You” emplacou a 13º posição no Billboard Hot 100.

Confira esses artistas em nossa playlist:

ArtistasMúsica

Ariana Grande e o ‘One Love Manchester’

by Pedro Bertoletti

One-Love-Manchester-Ariana-Grande-960x676.jpg

One Love Manchester, no último domingo, dia 4, reuniu e uniu a cidade após o trágico acontecimento no show de Ariana Grande no último mês de maio.

Um dia para ficar marcado como uma grande demonstração de solidariedade e que, de fato, trouxe muita emoção para os que lá estiveram ou assistiram de casa.

Ariana Grande durante apresentação no evento One Love Manchester
Ariana Grande durante apresentação no evento One Love Manchester

Organizado pela artista e seu empresário, em menos de duas semanas, o evento, que teve seus ingressos esgotados em seis minutos, contou com a presença de 50 mil pessoas e tornou-se o programa de TV mais assistido no ano até agora no Reino Unido, com uma audiência de 14,5 milhões de espectadores. Arrecadando, em apenas três horas, um total de 2 milhões de Libras que irão para fundos da Cruz Vermelha e auxílio às vítimas.

Evento One Love Manchester
One Love Manchester

Com um time de peso para dar inveja a qualquer festival, Ariana conseguiu a façanha de levar ao palco Katy Perry, Pharrell Williams, Justin Bieber, Miley Cyrus, Coldplay, Black Eyed Peas, Robbie Williams, Little Mix, Niall Horan e muito mais.

Contou também com a presença de um dos polêmicos irmãos Gallagher, famosos pelo Oasis. Liam, que havia se apresentado em um festival no mesmo dia, voou para Manchester onde se apresentou ao lado de Chris Martin, ao qual já havia, algumas vezes, disparado seus comentários maldosos. O que virou um dos pontos auges da noite interpretando Live Forever.

Entre muitas das imagens que fazem dessa uma data histórica para a cidade e a luta contra o terrorismo, fica marcado o policial que brinca junto às crianças e nos dá a esperança de dias melhores, em especial, à elas que são o futuro de qualquer nação.

Atualmente, os valores arrecadados com as vendas do single One Last Time, nas plataformas digitais, estão sendo revertidos ao Fundo de Emergência We Love Manchester, em coordenação com a Cruz Vermelha Britânica.

Menina com um cartaz no evento One Love Manchester
One Love Manchester, dia 4 de junho.

Que os artistas sigam entendendo o seu poder transformador junto às pessoas e espalhem a música como um sinal de energia positiva, porque o mundo está precisando. Essa semana vou deixar aqui o link para a estação da Ariana Grande no Superplayer. Boa semana, e amor pra todo mundo!

ArtistasEntretenimentoMúsica

10 anos depois | 2007 – Uma odisseia Indie

by Pedro Bertoletti

The-Killers-960x744.jpg

Em meio a efervescência da música indie, o ano de 2007 se apresentava carregado de artistas da cena alternativa que alcançavam o mainstream.

Integrantes da banda The Strokes
Banda The Strokes

O desenvolvimento do movimento musical se dá, principalmente, a partir de bandas surgidas ainda no final dos anos 90, como The Libertines, aqui em Londres, e The Strokes, em Nova York, trazendo, assim, sustentação para o que seriam os primeiros anos do novo milênio.

Nos clubs, nas rádios e mp3 players as novidades não demoravam mais a chegar. A internet já atuava como interlocutora e facilmente ouvia-se novas bandas, fossem elas escandinavas. O Brasil passava a ser rota de shows, e frequentes festivais faziam com que 2007 viesse a ser marcado como um ano memorável musicalmente.

LCD Soundsystem, com novas faixas lançadas recentemente, se desenhava como uma das maravilhas do mundo moderno ao lado de artistas como M.I.A. e Amy Winehouse, que ainda estava por aqui e em seu auge. The Killers, Arcade Fire, Kaiser Chiefs eram apenas algumas das bandas que faziam o indie rock girar o mundo, Justice um dos nomes que agitava a cena eletrônica, enquanto MGMT trazia uma nova leitura à psicodelia. O new rave e seus adeptos, como os Klaxons, embalavam as pistas. Enfim, um ano de clássicos indiscutíveis como Make It Wit Chu de Queens of the Stone Age.

Banda The Killers
Banda The Killers

Agora, dez anos depois, resolvemos mapear, em uma playlist, as músicas que não podem ser esquecidas, e que fizeram daquele um dos principais anos na primeira década dos anos 2000. Faça essa viagem, sinta-se velho, nostálgico ou apenas tome conhecimento de diversos hits que já podem ser considerados clássicos de uma geração.

ArtistasLançamentoMúsica

Five Directions

by Sarah Kasper

Captura-de-Tela-2017-05-24-às-16.12.12-960x657.png

O ano é 2010, o lugar é Londres e são 5 garotos: Harry Styles, Louis Tomlinson, Niall Horan, Zayn Malik e Liam Payne. Parece que foi ontem que o quinteto acabou em terceiro lugar na sétima edição britânica do The X Factor e se tornou uma das boybands mais famosas da história, assinando com a gravadora de Simon Cowell, Syco Records. Após 5 discos, 4 turnês, diversos prêmios e a saída de Malik em 2015, a banda decidiu dar uma pausa para cada um dos seus membros restantes trilharem novos caminhos sozinhos. Mas, para onde cada um deles foi?

Harry Styles

Harry Styles

Após fechar contrato com a Columbia Records, mesma gravadora do One Direction, Styles lançou seu primeiro disco solo, levando seu próprio nome como título. O CD conta com 10 músicas co-escritas pelo cantor e criadas por um grupo de talentosos produtores e escritores, como o vencedor de múltiplos Grammys Jeff Bhasker (que já trabalhou com Kanye West, Bruno Mars, Lana Del Rey e Pink), Tyler Johnson (Ed Sheeran e Taylor Swift) e Alex Saliban (Elle King, Mikki Ekko, Young The Giant e The Band Perry).

Depois de gravar na Califórnia, Inglaterra e Jamaica, o álbum foi lançado dia 12 de maio deste ano e veio como uma total surpresa até mesmo para os já fãs do cantor. Harry desliga-se da música que costumava fazer com a banda e mostra uma pegada mais rock e folk. Em matéria da Rolling Stone sobre o álbum, a revista aponta a influência de artistas como Queen, Prince e The Beatles em suas músicas, que também são artistas que Harry admira. Você pode conferir seu trabalho abaixo:

Zayn Malik

Zayn Malik

Sim: nós precisamos falar sobre Zayn Malik. Mesmo que o integrante tenha deixado o grupo antes do hiatus, não podemos ignorar que a maior parte de seus fãs vieram por conta da banda. Também não podemos ignorar o fato de que ele foi o primeiro a lançar um álbum solo, Mind Of Mine, em Março de 2016, alcançando o primeiro lugar nas paradas de diversos países. O maior colaborador do seu álbum foi o premiado produtor Malay (Frank Ocean, John Legend) e Malik descreveu seu álbum como R&B alternativo, mesmo afirmando não gostar de rotular sua música. Desde o lançamento de seu primeiro disco, Zayn colaborou com Taylor Swift na música “I Don’t Wanna Live Forever” para o filme Fifty Shades Darker, que alcançou o segundo lugar da Hot 100 da Billboard. Em março deste ano, em parceria com o rapper canadense PARTYNEXTDOOR, lançou “Still Got Time”, o primeiro single de seu próximo álbum.

Louis Tomlinson

Louis Tomlinson

No início de 2016, Louis Tomlinson se tornou pai e ao final do mesmo ano lançou seu primeiro single, “Just Hold On”, em colaboração com o famoso Dj Steve Aoki. A música emplacou o 52* lugar na US Billboard Hot 100 e até agora foi a única lançada pelo cantor. Em 2015, Tomlinson criou sua própria gravadora, Triple Strings Ltd, e foi reportado que estaria trabalhando com Simon Cowell para criar uma girl band. Não há previsão de novas músicas ou um álbum confirmado por enquanto.

Niall Horan

Niall Horan

Já Niall, que ajudou a compor grandes músicas da One Direction, lançou dois hits desde que a banda entrou em hiatus, “Slow Hands” e “This Town”, através da gravadora Capitol Music Group. Ambas não fogem do padrão de música que costumava criar com o grupo, mas, ao comparar as duas, “This Town” é mais romântica e “Slow Hands” tem uma pegada mais sexy, meio cheeky e mais animada. O que diferencia o Niall de agora do que tocava em uma banda? Fácil: a chance de escutarmos seu próprio storytelling nas músicas. Porém, só saberemos mais sobre o tipo de música que ele irá produzir quando seu álbum, ainda sem previsão, sair.

Liam Payne

Liam Payne

O último a lançar material novo na carreira solo foi Liam Payne, fazendo parceria com Quavo, do grupo de rappers Migos, na música “Strip That Down”. A música, que foi co-escrita por Ed Sheeran e Steve Mac, recebeu diversas críticas, tanto boas quanto ruins. Na letra, o cantor fala sobre como está livre do One Direction (“you know, I used to be in 1D – now I’m out, free”) e como pretende se divertir. Sua música foi descrita como hip-hop e, sem perder a oportunidade, já foi comparada com o material de Zayn. Se este será o caminho que Liam irá tomar para seu próximo álbum, isso não podemos afirmar, mas sabemos que ele estará longe de fazer qualquer coisa parecida com o estilo de Harry Styles. Payne afirmou que vem trabalhando no estúdio há mais de um ano e em março de 2017 teve seu primeiro filho com a ex-jurada do X Factor, Cheryl Cole.

Mesmo com todas as diversidades, uma coisa é clara: todos os integrantes (ou ex) buscavam liberdade para criar seu próprio material, algo que uma boy band não permitia. Agora, temos mais músicas de estilos completamente diferentes, esperamos novos álbums, e, quem sabe um dia, uma possível volta do grupo.

Mas, enquanto isso não acontece, você pode checar a nossa playlist Five Directions.

ArtistasLançamentoMúsica

“Switch”, a nova música de Iggy Azalea com Anitta!

by Superplayer

Screen-Shot-2017-05-22-at-18.49.35-960x521.png

Na última sexta-feira foi lançado oficialmente “Switch”, o novo single de Iggy Azalea, e de imediato virou um dos assuntos mais comentados no universo pop, no Brasil e no mundo. Aqui na nossa terra, em especial, pela participação já aguardada da pop funkeira Anitta.

Iggy-azalea-anitta-switch

Com promessa de forte divulgação no mercado americano, onde é radicada a rapper, e a chegada do verão no hemisfério norte, a carreira de Anitta pode agora tomar novas proporções. Vale lembrar também que, nos últimos três anos, foi premiada pelo EMA, premiação da MTV europeia, como melhor artista brasileira e uma vez da América Latina.

Para aumentar o furor, vazou o que seria uma versão não finalizada do clipe que bota a artista brasileira nos radares do cenário da música internacional. Parece que ela está cada vez mais próxima de vôos mais altos.

Capa do single Switch da cantora Iggy Azalea
Capa do single Switch de Iggy Azalea

“Switch” sucede os singles “Mo Bounce” e “Team”, com produção de Eric Weaver e The Family, que têm em seus históricos, trabalhos com Ariana Grande, Nick Jonas, Pharell Williams e Fifth Harmony. A faixa faz parte do novo disco, Digital Distortion, de Azalea, com lançamento previsto para meados desse ano.

E você já pode ouvir aqui no Superplayer em uma playlist recheada de lançamentos:

ArtistasLançamentoMúsica

Foster the People – Vem aí o terceiro álbum

by Pedro Bertoletti

Foster-The-People.jpg
Banda Foster The People
Banda Foster The People

Formada em Los Angeles, Foster The People dispensa apresentações. Com um histórico de hits grudentos nos últimos anos como, Houdini, Helena Beat, Pumped Up Kicks, Call It You What Want, Don’t Stop, Best Friend, a banda surpreendeu, quando, na semana passada divulgou, não uma, mas três novas músicas que devem estar no que será o próximo álbum. Com dois álbuns de estúdio, Torches de 2011 e Supermodel lançado em 2014, agora fica o aguardo para mais detalhes do que vem por aí.

Por enquanto, você pode ouvir por aqui Pay The Man, Doing It For The Money e SHC, as faixas que os caras botaram no ar. Sem muitas surpresas, como uma sequência de tudo que já fizeram, nos levam para dentro da atmosfera característica que já deu certo. Um prato cheio para os ávidos fãs que dispensam mudanças.

O que parece discutível é, no entanto, a capa que apresenta III – Single. Correram pelas redes sociais comparações entre a arte do novo trabalho e o disco Low Teens da banda Every Time I Die, mas aí eu deixo essa análise por conta de vocês.

ArtistasLançamentoMúsica

Joe Fox, o protegido de A$AP Rocky, e sua Aftershow

by Pedro Bertoletti

joe-fox-960x720.jpg

Se você já ouviu A$AP Rocky, especificamente o álbum AT.LONG.LAST.A$AP, você conhece Joe Fox. Entre tantas parcerias de peso no disco lá de 2015, como M.I.A., Mark Ronson, Kanye West, cinco das faixas contavam com um então desconhecido.

Jovem músico londrino Joe Fox
Joe Fox, jovem músico de Londres

A$AP tinha descoberto o cara pelas ruas aqui de Londres. Contou, em diversas entrevistas, que após vagar em uma madrugada, encontrou o músico com seu violão. Na época tocava na rua, praticamente sem teto, sobrevivia vendendo seus cds em busca de algum lugar para morar. Ele não comprou um de seus discos, porém acabaram no estúdio e o resto podemos ouvir em A.L.L.A.

Embora fã de Bob Dylan, Jimi Hendrix, John Lennon, foi com o rapper que viu sua vida se transformar, a parceria inusitada lhe rendeu algumas importantes gravações, contatos e viagens pelo mundo. Passou a o acompanhar onde quer que fosse, parecia a espera do seu momento. Com pouco gosto pela cena musical atual, rendeu-se ao classificar o trabalho em conjunto como uma obra prima, estando entre os melhores álbuns daquele ano.

Joe Fox e A$AP Rocky juntos
Joe Fox (à esqueda) e A$AP Rocky (ao centro).

No ano passado, o londrino, lançou o Acoustic Alley Sessions, com pouca produção, basicamente voz e violão, sua música soa como algo de outros tempos, com sua voz bluesy carregada de referências. Destaque para Autopilot, escrita na sua época em Los Angeles, embora com qualidade, ainda assim bastante bruta, faltava algo mais elaborado, como uma banda como pano de fundo.

E é aí que entra o seu single lançado nesse ano, onde o artista parece começar a mostrar que pode seguir em frente com suas próprias pernas. A excelente Aftershow, conta com o apoio de nada menos que membros do The Dap-Kings, banda com um histórico recente ligado a outra figura bastante famosa surgida em Londres, Amy Winehouse. Além de ter produção de Leon Michels, um dos membros do The Arcs, banda formada junto a Dan Auerbach, mais conhecido pelo The Black Keys.

capa do single after show de Joe Fox
Capa do single Aftershow

Embora a busca por uma evolução sonora, Joe não vai tão longe com o lado b Sweet Song, mantendo a ligação com a estética simplista e crua. No entanto, no mês passado, anunciou estar fazendo seus últimos shows em voz e violão, em breve contará com o apoio de uma banda. Por enquanto nos resta esperar pra descobrir onde o garoto poderá chegar.

E se você ficou curioso para ouvir Joe Fox, confere a nossa playlist dessa estação de outono:

ArtistasMúsica

Que mulheres eu vou ouvir em Abril

by Karla Wunsch

Alexandra-Savior-Vanishing-Point-Session.jpg

Parece que passou rápido: já abril. Mas ainda são 271 dias para acabar o ano. Agora quase não tenho mais purpurina do carnaval no corpo (só um pouco do final de semana passado). Já estou entrando no modo outono, quer dizer que ando procurando músicas mais tranquilas e também uns casaquinhos pra sair de noite.

Resolvi mostrar um pouco do que estou ouvindo no novo mês. Ah, e por que mulheres? Porque há uns meses me lancei o desafio de consumir mais conteúdo delas: livros, músicas, arte, cinema. E tem sido uma revolução – mas isso é assunto que dá bem mais pano (se quiser saber mais, é só deixar um comentário). O legal é que o Superplayer tá cheio de minas incríveis. Tô com super orgulho!

Madeleine Peyroux – ouça aqui a estação dela.

Mulheres- da-música-para-ouvir_Madeleine-Peyroux-jazz-mulher

Descobri essa voz em Novos cantores do Jazz. Ela é uma americana que cedo foi para Paris, onde adquiriu esse sotaque gostoso. Seu trabalho vai bem com trabalho, vinho branco ou os dois.

Alexandra Savior – ouça aqui a estação dela.

Mulheres- da-música-para-ouvir_alexandra-Savior-cantoras-indie

Bem moderna e, ao mesmo tempo, nostálgica Alexandra tem meu coração por ter uma batida bem marcada em suas músicas, algo entre rock e eletrônico. Sem contar que tem álbum chegando dia 7 de abril.

Macy Gray – ouça aqui a estação dela.

Mulheres- da-música-para-ouvir_Macy-gray-cantora-mulher

Essa é uma das mulheres da música para ouvir. A obra dela é tão maravilhosa que combina com vários momentos. Eu tenho curtido pra ouvir fim do dia, na boa, de bicicleta talvez.

Você encontra ela qui nessa playlist:

Ela também está em Neo Soul, ao lado da India Arie. Ouça aqui a estação dela.

Mulheres- da-música-para-ouvir_india-arie-musica-mulher

A americana tem um som cativante e empoderador, as letras são incríveis, sério. Neo Soul é uma playlist premium, que vale muito, ultimamente tem sido a que mais ouço.

Maiara & Maraísa – ouça aqui o novo álbum delas.

Mulheres- da-música-para-ouvir_maiara_maraisa-mulheres-musica-sertanejo

Às vezes ouço, danço e canto sim e tô achando que não tem mais volta, por isso entraram na lista.

Ouça as duas aqui:

Mariana Aydar – Ouça a estação dela aqui.

Mulheres- da-música-para-ouvir_mariana-aydar-musica-cantora

A primeira vez que ouvi ela foi ao vivo e fiquei impressionada. Depois de devorar o álbum da Céu por meses, estava precisando de uma substituta ao nível. Aí está!

Tá com a impressão de que essa lista não termina nunca? Ainda tem mais. Essa playlist aqui foi feita pro Outono e tá cheia de música delícia.

Agora sim! Se você tem mais mulheres da música para indicar é só deixar nos comentário. Ou ainda algum outro assunto que você queira saber mais. :)

ArtistasMúsica

Louis Berry – O Novo Garoto de Liverpool

by Pedro Bertoletti

28441_lg-960x640.jpg

A cinzenta Inglaterra continua sendo uma fábrica incessante de artistas que despontam na música e chegam aos nossos ouvidos todos os dias. Desta vez, como em muitos dos casos, dos subúrbios da historicamente conhecida Liverpool através dos The Beatles e de bandas mais recentes como The Wombats e The Zutons, da famosa ‘Valerie’, que talvez já se possa dizer, imortalizada por Amy Winehouse, surge Louis Berry, um daqueles ‘garotos problema’ de infância conturbada, que a mãe precisou lutar para mantê-lo dentro da lei, levou apenas dois shows para assinar seu primeiro contrato.

Com um rock enérgico e sua voz rouca que soa da alma, já comparado em atitude e musicalidade com Johnny Cash e Alex Turner, faz parte de uma leva que traz artistas como Jake Bugg, dada as similaridades, a quem já deixou claro em entrevista ‘não duraria cinco minutos de onde eu sou’. O músico de 24 anos, criado nas vielas da cidade portuária e que teve seus primeiros acordes soados no violão do avô, parece bastante pretensioso e aposta em letras que dão voz as pessoas nas ruas que vivem histórias semelhantes à sua.

loui-berry-musica-britânica

Louis Berry surgido ainda em 2015, foi despertando curiosidade com seu primeiro single ‘Rebel’, um retrato da energia do artista e posteriormente com ‘25 Reasons’ seguido de ‘.45’. Consequentemente fazendo parte de uma série de festivais e apoiando turnês como as de Saint Raymmond e Sunset Sons, além de pequenos giros solo pelas terras da rainha. Mas foi em 2016 que seu trabalho realmente ganhou corpo com a excelente ‘Restless’, e não demorou muito para que sua, até então, pequena turnê já anunciada, tenha uma série de apresentações com ingressos esgotados. Não bastasse, Berry acabou de lançar, no mês passado, a grudenta e voraz ‘She Wants Me’.

Agora prepara seu primeiro álbum produzido por Steve Fitzmaurice, que já produziu Depeche Mode, The Kooks, Sam Smith. Louis Berry vem dando mostras de que vale a pena seguir acompanhando seu trabalho.

Parece bom? Você pode ouvir mais dele aqui nesse playlist:

ArtistasMúsica

O que a M.I.A e a gravidez da Beyoncé tem em comum?

by Karla Wunsch

MIAxBeyonce_v2.jpg

M.I.A é uma cantora de 41 anos que nasceu na Inglaterra. Em 2002 ela postava músicas e vídeos no Myspace e assim começou a ficar conhecida. Hoje ela tem vários sucessos, o maior deles é Bad Girl, que inclusive está na trilha Bling Ring, com a Emma Watson. Beyoncé começou a carreira no R&B como vocalista da banda Desteny’s Child, dispensa apresentações.

mia bad girl
M.I.A, no clipe “Bad Girls

Uma é rapper e outra e diva pop, ambas são ativistas. Enquanto vimos nos últimos trabalhos da Beyonce a bandeira do feminismo e a luta contra o racismo, M.I.A já começou sua carreira com um trabalho extramamente político. Seu álbum de estréia, que tem entre as influências Hip Hop, Eletrônico e Funk Carioca se chama Arular o côdimo político do seu pai quando durante conflitos no Sri Lanka.

giphy
Cena do novo clipe da M.I.A, P.O.W.A

Por conta da vida política do seu pai, “Maya” ou M.I.A, passou um período da sua infância na Índia com sua mãe e irmão. Um pouco de georgrafia: a Índia fica entre Sri Lanka e o Paquistão. Já Beyonce nasceu no Texas nos Estados Unidos, e suas origens são africanas.

Quando saiu o novo clipe da M.I.A, P.O.W.A, cheio de cenas marcantes, não deu para não reparar na proximidade com o ensaio de gravidez da Beyonce, divulgado no Instagram que gerou tanta polêmica, principalmente uma crítica por ser brega.

0201-beyonce-inset-810x960-e1486052911413

novo clipe mia

O clipe, dirigida pela própria M.I.A, assim como as fotos da Beyoncé trazem o véu as flores e um ar de figura santificada. No caso da segunda, muito captaram as referencia de Beyoncé às pinturas renascentistas como O nascimento de Vênus de Sandro Botticelli e Vênus reclinada com o cupido de Guido Reni. E também outros artistas contemporâneos podem ser vistos, como o casal, Pierre et Gilles, que trabalham com a estética do Kitsch – justamente a valorização do brega, do exagero.

Pierre et Gilles
Obras do casal de artistas Pierre et Gilles

Mas não é só isso, a diva fez questão de trazer elementos da cultura negra, como essa foto onde Beyoncé está ao lado da estatua da Rainha Egipícia Nefertiti, além da valorização do seu cabelo. Outro detalhe é que as fotos foram lançadas justamente primeiro dia do mês da História Negra, com um fotógrafo nascido na Etiópia, Awol Erizk.

3CC5F52B00000578-4186702-image-a-11_1486087833715

Em resposta ao o que é as duas têm em comum é não esconder suas origens, pelo contrário valorizar elas. Enquanto Beyoncé nos trouxe inúmeros questões racionais nos últimos tempos, M.I.A vem batendo há tempos na tecla dos refugiados.

MIA Borders
Cena do clipe “Borders“, fronteiras em inglês, da M.I.A
mia borders barco
Barco humano também em “Borders

Trabalhar para mostrar diferentes culturas, que fogem ao padrão americano-europeu-branco que estamos acostumados é um mérito delas e de inúmeras cantoras atuais, como a própria Solange, irmã da Beyonce e a Princess Nokia. E isso significa um grande passo em caminho da tolerância das diferenças, algo que estamos precisando ultimamente, né?

ArtistasMúsica

Ch-ch-ch-changes: porque os artistas mudam tanto?

by Karla Wunsch

DB-Transformation-Colour.gif

“Volta pro pop” foi um dos muitos comentários que a Lady Gaga recebeu após sua apresentação na final do Super Bowl. O novo álbum ‘Joanne’ foi recebido de um lado com quem achasse que “antes era melhor” ou com que defendesse que Diva é sempre Diva. Concorde você ou não que “Poker Face” era melhor do que “Million Reasons”, o fato é que não é a mesma coisa. E tá tudo bem.

Até por que, o mundo da música é mesmo mudança. Em todos os sentidos. Desde o formato que consumimos música, o estilo musical que está mais em alta, até a carreia dos artista. Lembra do ex-vocalista do Raimundos, Rodolfo Abrantes, que trocou o punk pela música gospel? Essa mudança foi bem drástica – e conturbada, mas pra ele foi necessária, já que, pessoalmente, se converteu a religião.

16196047_396269087393382_350669063501703240_n

Pérola postada pela página Grande coletânea de revistas brasileiras antigas

David Bowie, um dos maiores ídolos da música, e inclusive grande ídolo da Lady Gaga, era tão adepto às mudanças que ganhou o apelido de camaleão do rock. Com essas ilustras dá pra entender um pouquinho porque.

DB-Transformation-Colour

As fases do David Bowie. Ilustras da Helen Green.

Como ele contou em entrevista, a mudança dava confiança pra ele além de curtir muito. “É bem mais divertido progredir do que ficar olhando para trás”, disse David Bowie.

Aqui no Superplayer, a gente pensa exatamente da mesma forma. Estamos sempre olhando pra frente, em movimento. Trazendo esse novos artistas e novos álbuns pra nossas playlists. Mas dessa vez resolvemos fazer uma geral maior na casa e mudar inclusive nossa marca. E trazendo novos recursos.

loaderSequenceGIF

E também o nosso webplayer. Já viu? E tem mudanças no app chegando já já!

ArtistasLançamentoMúsica

O Gusttavo Lima fez duas playlists no Superplayer. Descubra qual é a sua!

by Superplayer

email_gusttavo.jpg

Gusttavo Lima está com o coração dividido. Metade tá pela farra. Metade quer dormir de conchinha. E esse é o dilema que ele canta em seu novo álbum, 50/50.

Pra comemorar essa lançamento o cantor sertanejo lançou duas playlists no SuperplayerOuça aqui e descubra qual lado do Gusttavo Lima tem mais a ver com você.

versus

E aí, se identificou 100% ou tem um lado que é mais você? Compartilhe!

ArtistasMúsica

Por que nossos ídolos do rock morreram aos 27?

by Karla Wunsch

thumb-face-clube-dos-271.png

Tem quem use a numerologia, outras a pactos satânicos ou ainda ao retorno de Saturno para explicar o Clube dos 27. Se você nunca ouviu, é um grupo de roqueiros que morrem exatamente com essa idade. E olha que não são poucos. Tem quem acredite ser uma coincidência, porém alguns cientistas argumentam que é nessa idade que as drogas passam a fazer menos efeito, se a pessoa já faz o uso desde a adolescência. Isso pode implicar em maiores doses, para sentir os mesmos efeitos, e aumento de chances de overdose.

Ainda que um estudo analisando músicos de 1950 a 2010 mostre que é aos 56 anos o mais alto índice de morte dos músicos, o Clube dos 27 continua sendo um assunto macabro. Se você ver a lista vai sentir um poco isso.  Antes de seguir, que tal dar play?

divisoria-blog-brian-jones

Ajudou a fundar uma das bandas mais famosas da História, The Rolling Stones. Em 3 de julho de 1969, Brian tinha acabado de ser expulso da banda e foi encontrado na piscina de sua casa — ele estava afogado. As situações da sua morte geraram muitas especulações, já que ele era um ótimo nadador. Uns dizem que foi culpa das drogas, porém acredita-se que ele tinha sido assassinado por conta de um caso amoroso. Tem até um filme que conta essa história.

divisoria-blog-hendrix

Jimi é considerado um dos maiores guitarristas de todos os tempos. Sua trajetória incrível, cheia de contribuições para a música, como a invenção da distorção no rock, teve um final nada triunfal. No dia 18 de setembro de 1970, Hendrix perdeu a vida asfixiado por seu próprio vômito em um quarto de hotel, na Inglaterra. O artista Gilberto Gil, que conviveu com Hendrix dias antes de sua morte conta que ela esteve extremamente paranoico e falava em perseguição da máfia.

divisoria-blog-janis

Até hoje, Janis é a maior referência de voz feminina no rock. Sua forte influência do blues marcou sua carreira tanto quanto suas maluquices devido a problemas com álcool e drogas. Depois de gravar “Mercedez Benz”, ele ficou sumida por três dias, até que foi encontrada morta com marcas de agulhas no braço e segurando US$ 4,50 em sua mão. Isso aconteceu em 4 de outubro de 1970, em um hotel em Los Angeles, um pouco depois da morte de Hendrix.

divisoria-blog-jim

Vocalista e compositor da famosa banda dos anos 70, The Doors, Morrison sofria de alucinações desde a infância e, assim como Janis, abusava de álcool e drogas. Ele faleceu no dia 3 de julho de 1971 — na banheira de seu apartamento em Paris, por insuficiência cardíaca. Porém, uma autópsia nunca foi realizada.

divisoria-blog-curt

Fundador, vocalista, guitarrista e compositor da banda grunge Nirvana. Até hoje a situação da sua morte é motivo de estudos e teorias. Embora o atestado de óbito aponte um “suicídio”, muitos fãs afirmam que na verdade ele foi assassinado, incluindo na lista de suspeitos sua mulher, Courtney Love, com quem tinha uma filha, Francis.

divisoria-blog-amy

Cantora e compositora britânica, Amy teve uma carreira com rápida ascensão e declínio. Seu primeiro sucesso, “Rehab” foi lançado em seu segundo álbum em 2006, e em 2011 ela encontrou a morte por Intoxicação Alcoólica. A maioria das suas músicas tinham como temática o amor, as drogas e o álcool.

Como deu pra ver, a morte na música é algo sério. Pesquisas mostram que a expectativa de vida de pop stars são menores do que do resto da população, pelo menos na Europa ou nos Estados Unidos. E alguns gêneros são ainda mais “perigosos” que o Rock, como o caso do Rap, Hip Hop e Metal. Sorte que nada comprova que ouvir esses ritmos influência nisso, então pode ouvir a vontade, começando por agora, inclusive.

www.superplayer.fm/player

ArtistasMúsica

Esse comentário pode encerrar processo de plágio contra o Led Zeppelin

by Karla Wunsch

1200px-Led_Zeppelin_acoustic_1973-960x645.jpg

Antes de começar, dê play na música acima. Ela foi lançada em 1967 – um ano antes do Led Zeppelin fazer turnê junto com a banda Taurus, e foi o que inspirou Jimmy Page e Robert Plant a criar “Stairway to heaven”.

Bem, pelo menos é o que alegam representantes do já falecido guitarrista da banda Spirit e compositor da música, Randy Wolfe. A acusação abriu um processo de plágio contra o Led Zeppelin e foi aceita por decisão do Juiz Gary Klausner, em Los Angeles.

Compare com a música do Led lançada em 1971.

Porém, com a notícia do julgamento nos grandes portais, novas informações vieram à tona.

cometario plagio led zepellin

Há poucos dias esse comentário no Digital Music News trouxe um link, postado em 2011 no Youtube, que mostra uma composição do século XVII, com progressões de acordes muito parecidos com “Stairway to heaven”.

Detalhe, como a música é de domino público, pode ser usada livremente. Ouça aqui:

Depois do comentário, a composição foi divulgado pelo próprio Digital Music News, ganhado maior repercussão.

O julgamento está programado para 10 de Maio, e essa informação deve ser o suficiente para retirar as acusação contra o Led Zeppelin. O que você acha?

E agora, que tal um pouco das melhores pedradas de rock já feitas?

Crédito imagem: Heinrich Klaffs – originally posted to Flickr as Led Zeppelin 2203730017, CC BY-SA 2.0

ArtistasMúsica

05 vídeos que você precisa ver para (tentar) entender o Prince

by Karla Wunsch

720x405-prince-extralarge_1412016787658.jpg

O ano de 2016 está sendo difícil para a música, e grandes ícones já nos deixaram.

Prince, infelizmente, é um dos que se foram cedo demais. Com 57 anos ele foi encontrado morto em seu apartamento, quinta, dia 21 de abril. Ainda na ativa, seu último álbum foi lançado há poucos meses, o ‘HitnRun Phase Two’. Com muitas fases, a carreira do cantor, produtor e multi instrumentista foi marcada pela inovação. Confira alguns dos seus grandes momentos.

“Purple rain” é uma das principais canções de Prince  Sua primeira apresentação ao vivo (assista aqui a versão original de Purple Rain) foi antes dela ser gravada em estúdio – e era mais longa do que a que foi lançada. O álbum de mesmo nome vendeu 10 milhões de cópia e ficou por 24 semanas como número um nos Estados Unidos.

Esse dia foi histórico. A apresentação só começa no tempo 0:44 do vídeo e se você estiver com muita pressa pode ir logo para o 1:00 quando Prince começa a dar um show que ofusca até os grandes Michael Jackson e James Brown.

É com seu quarto álbum, o ‘Controversy’, que em 1981, Prince entra pela primeira vez nas paradas internacionais. Ouça a faixa que leva o titulo do álbum.

Se hoje o debate da quebra de gênero e o queer estão em alta, com grandes marcas lançando coleções de roupas unisex, Prince já buscava essa desconstrução há muito tempo nas suas atitudes e figurino, como podemos ver nesse clipe.

E pra terminar, esse documentário sobre um dos principais momentos da carreira do cantor.

Vai fazer muito falta, Prince.